Food Service

Notícia

Calor e lançamentos fazem mercado de sorvete crescer

No último verão, as vendas cresceram 24% em relação à temporada anterior

17/12/2014

O volume de sorvetes vendido no Brasil cresceu 22% em doze meses até agosto, na comparação com um ano antes, segundo a Nielsen. Em valor, o crescimento foi de 30%, para R$ 4,4 bilhões. O avanço se deu após um ano fraco, de verão pouco quente e chuvoso, que resultou em uma queda de 2% no período anterior.



O desempenho do mercado ainda está muito ligado às variações climáticas no Brasil, e a indústria tenta mudar essa realidade. "A gente não pode se preocupar com o tempo, tem que se preocupar em desenvolver o mercado", diz João Campos, vice-presidente de sorvetes e alimentos da Unilever, líder da categoria com a Kibon. Este ano foi a primeira vez que a marca fez campanha em pleno inverno, protagonizada pelo jogador Neymar.



O ano também tem sido positivo para a segunda maior empresa da categoria, a Nestlé. Segundo o diretor da unidade de sorvete da companhia, Rogério Lopes, as vendas da multinacional suíça crescem acima do mercado este ano.



O consumo per capita no Brasil foi de 6,2 litros no ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Sorvetes (Abis). "O Brasil tem condições de ir para 10, 12 litros", diz Campos. Os europeus consomem de 18 a 20 litros de sorvete ao ano. Apesar de seu extenso litoral e do clima tropical, o Brasil é apenas o 12º maior país do mundo em consumo por habitante, atrás de países como o Chile.



"Estamos tendo um dos melhores anos em sorvetes", diz Campos. No último verão, as vendas cresceram 24% em relação à temporada anterior.



Além de comercializar potes em supermercados e picolés em pequenos estabelecimentos, a Unilever decidiu vender diretamente ao consumidor. No ano passado, abriu um quiosque Kibon Station em um shopping em São Paulo e agora vai expandir o projeto. Foram abertas cinco unidades no fim deste ano na capital paulista, e o plano é continuar a ampliação em 2015. A companhia também trouxe ao Brasil em setembro a rede americana Ben & Jerry's, comprada em 2000. Uma bola de sorvete da marca custa R$ 10, preço semelhante ao das sorveterias Häagen Dazs. Atualmente há duas unidades em São Paulo.



"Queremos estar onde o consumidor está e acessar novas ocasiões de consumo", diz Campos. A marca americana também terá distribuição seletiva em supermercados. "Estávamos planejando a vinda da marca há cinco anos. Nos últimos anos houve uma abertura do mercado para os sorvetes premium", diz Kátia Ambrósio, diretora de sorvetes da Unilever. Os sorvetes da Ben & Jerry's são importados dos Estados Unidos e da Holanda e são produzidos segundo os critérios de "fair trade" (comércio justo). A Kibon fabrica sorvetes em Valinhos (SP) e em Jaboatão dos Guararapes (PE).



A fábrica da Nestlé em Jacarepaguá (RJ) passou a fabricar, este ano, além dos sorvetes, os potes. "Foi um investimento importante em desenvolvimento de tecnologia, que vai trazer maior eficiência à cadeia", afirmou Lopes, sem informar o valor aplicado. A empresa importou quatro injetoras de plástico e instalou equipamentos para suportar o crescimento das vendas pelo menos nos próximos sete anos.



"Há tendências de saudabilidade e de sofisticação do consumidor brasileiro, que busca ingredientes de qualidade", diz Lopes, da Nestlé. Segundo o executivo, não deve voltar a ocorrer a guerra de preços verificada nos últimos anos na categoria. A Nestlé não planeja ir para o varejo, como fez a Unilever, afirma. (Fonte: Valor Econômico)

Deixe seu comentário