Food Service

Notícia

Luana Clopper, diretora do Sirha Brasil, fala sobre a mudança da feira para SP

Papo Direto da edição 16 da revista Food Magazine

01/06/2017

 

 

Evento consolidado como totalmente business to business traz simultaneamente inovação tecnológica, concursos, aulas e degustações, o Sirha Lyon, acontece na França há cerca de 30 anos. Em sua última edição, bateu recordes com mais de 200 mil profissionais. No Brasil realizou duas edições no Rio de Janeiro e agora se instala em São Paulo. O Sirha SP acontece de 14 a 16 de março de 2018 no São Paulo Expo e espera receber 300 marcas e 15 mil visitantes. Conversamos com a diretora Luana Clopper que conta sobre o evento, a estratégia de trazê-lo para a capital paulista e expectativas para a próxima edição. 

Conte um pouco sobre a história do Sirha e sua atuação em outros países.
O Sirha (Evento Internacional para Profissionais de Food Service e Hotelaria) reúne profissionais de food service para compartilhar tendências mundiais do segmento. Realizado no Eurexpo Lyon, todo mês de janeiro dos anos ímpares, o Sirha apresenta, há mais de 30 anos, as finais mundiais dos concursos gastronômicos internacionais: o Bocuse d’Or e a Coupe du Monde de la Pâtisserie, criados, respectivamente, por Paul Bocuse e Gabriel Paillasson.
Em sua última edição, em janeiro de 2017, o Sirha Lyon bateu recordes. Em cinco dias, foram mais de 200 mil profissionais, entre eles 25 mil chefs de cozinhas, aumentando em 10% o público presente em relação à edição anterior. O evento contou com mais de 3 mil expositores franceses e internacionais com o que há de mais inovador em maquinários e tendências para os próximos anos. Atualmente, o Sirha também acontece em outros cinco países: Brasil, México, Hungria, Suíça e Turquia. 

Quando veio para o Brasil e como foi a participação no Rio de Janeiro?
A primeira edição no Brasil foi em 2015, no Rio de Janeiro. Tivemos uma boa adesão do público. Nas duas edições do evento tivemos visitantes vindos de todos os Estados do Brasil.

O que o evento brasileiro tem de diferente? Ou ele reproduz o mesmo formato internacional?
O evento brasileiro segue o formato internacional, mas com adaptações à realidade local. Aqui temos o espaço dedicado ao Terroir Brasileiro, com a participação de pequenos produtores de várias regiões do país. Também fomos precursores do conteúdo em torno do Gelato, que foi uma iniciativa inédita considerando a atuação do Sirha no mundo.  

O grande diferencial do Sirha em relação a outras feiras do segmento é a programação diversificada que temos e que atrai o profissional do setor. O evento já se consolidou como totalmente business to business. O conteúdo que oferecemos traz simultaneamente inovação tecnológica, concursos, aulas e degustações e isso é o DNA do Sirha.



Por que decidiram trazer o evento para São Paulo?
A ida para São Paulo acompanha o crescimento e desenvolvimento do evento. Para um crescimento sólido é necessário explorar um novo ambiente e um novo mercado. Vimos uma oportunidade e decidimos estrategicamente realizar o Sirha no primeiro semestre de 2018 na capital paulista, abrindo assim o calendário de eventos do segmento. São Paulo é a capital da gastronomia brasileira e se encontra em constante expansão. É uma ótima cidade para receber este novo Sirha. 

A feira na capital paulista terá o mesmo formato do Sirha Rio?
Sim, com área para expositores, para concursos, espaço do Terroir Brasileiro, aulas e palestras. A grande diferença está nas novas temáticas que vamos abordar. Teremos o Bar Sirha, um espaço dedicado aos conteúdos e ativações na área da coquetelaria, cerveja, vinho e café. Teremos também o Auditório Bakery & Pastry, com demonstrações e palestras sobre o universo da panificação e confeitaria. 

Qual é a expectativa em relação à quantidade de marcas e visitantes?
A previsão é que 300 expositores e marcas brasileiras e internacionais estejam no salão apresentando seus produtos, serviços e conteúdo para 15 mil visitantes.

Quais foram os resultados da última edição do evento? Houve crescimento?
Em 2016, na segunda edição, foram 222 expositores e marcas, tanto brasileiros quanto internacionais. Houve um crescimento de 10% no número de visitantes em relação ao ano anterior. 

Por ser um evento internacional, recebem uma quantidade representativa de empresas estrangeiras?
Em 2015 tivemos quase 30% de expositores internacionais. Ano passado esse número caiu para 20% devido ao contexto econômico do país. Este ano estamos com uma estratégia nova, atuando mais próximos às câmaras de comércio estabelecidas no país.

Está nos planos manter de forma definitiva a feira em São Paulo? 
Temos um plano futuro, mas que não podemos divulgar antes de viver esta primeira edição na cidade de São Paulo.

Deixe seu comentário