Publicidade

Food Service

Notícia

Fim do pessimismo vira meta entre varejistas

Com confiança em baixa, empresários do comércio se reúnem para discutir formas de atravessar período conturbado economicamente. Redes como Bobs e Magazine Luiza pregam motivação

04/12/2015

O pessimismo com a economia, tanto do consumidor quanto do varejista, alimenta um ciclo negativo que prejudica ainda mais o mercado. Para diminuir o impacto dessa 'depressão', grandes empresários do ramo se unem para pregar o fim do mau humor do varejo e cavar a saída da crise partindo da própria empresa.

 

Em encontro realizado na quarta-feira (2), grandes nomes do varejo, como a Luiza Trajano, presidente do grupo Magazine Luiza, e Ricardo Bomeny, presidente do Bob's, defenderam um discurso em favor de mais otimismo no mercado.

 

A decisão dos executivos vem a calhar. Segundo a Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a confiança do setor renovou o seu nível mínimo histórico em novembro, ao recuar 3,4% ante outubro e atingir 80,1 pontos.

 

Para Trajano, do Magazine Luiza, o momento econômico é difícil, mas é preciso aceitá-lo e trabalhar em medidas internas que ajudem a mudar o cenário. "Nós temos que assumir o nosso papel de líder com sabedoria e buscar soluções. Não adianta ficar só esperando melhorar", diz ela.

 

A empresária se mostrou otimista quanto ao desfecho dos casos de corrupção que envolvem empresas e partidos políticos do País. Na sua opinião, a ética é, cada vez mais, uma virtude obrigatória. "Essa falta de ética que hoje existe está próxima do fim", pondera.

 

Fast casual

 

Ricardo Bomeny, presidente da rede Bob's, afirma que a marca enfrenta a crise com uma grande mudança. Agora, a gigante de lanchonetes planeja deixar o segmento fast-food para se tornar fast-casual.

 

"O fast-casual é um segmento que tem crescido muito nos Estados Unidos e que nós acreditamos dar certo aqui. Trata-se de uma nova forma de atendimento em que o consumidor pode customizar os pedidos da forma que preferir."

 

Segundo o executivo, todas as 1,3 mil lojas da marca no Brasil trabalharão com esse sistema até o fim de 2019.

 

A mudança envolve também um novo conceito de loja, com layout reformulado e espaço redesenhado. "É um reposicionamento, e vai ajudar a motivar equipes e atrair clientes."

 

A modernização inclui ainda totens de atendimento, hoje já conhecidos pelo público brasileiro. Bomeny diz que atualmente os aparelhos respondem por até 18% do total de pedidos realizados.

 

"A mudança está acontecendo, mas já este ano projetamos faturar 23% a mais do que no ano passado. Em um ano difícil, nada mal crescer dois dígitos", complementou ele, que preferiu não divulgar a previsão de faturamento da rede.

 

Deixe seu comentário