Food Service

Notícia

Empresários faturam com food truck mesmo sem licenciamento da prefeitura

Com empresários Jorge Boratto e Eric Thomas contam suas histórias e os desafios de empreender

13/10/2014

A onda de food trucks vem animando muitos empresários, mesmo os que não são do ramo, a investir num negócio sobre rodas. Aprovada em maio na cidade de São Paulo, a lei deve chegar em breve a outras capitais, como Porto Alegre, Curitiba e Salvador.

 

Mas mesmo antes de as prefeituras começarem a conceder as licenças necessárias para estacionar na rua, muitos já lucram com a novidade. A saída é procurar áreas privadas para expor o seu truck, como estacionamentos, parques, eventos e pátios destinados a esse tipo de comida, os foodparks, que estão se popularizando em São Paulo.

 

Empresários contam seus desafios

 

Respectivamente donos da rede de food trucks Burger Lab e Wheelz Gastronomia Urbana, Jorge Boratto e Eric Thomas falaram sobre os desafios de atuar em um segmento que, embora sancionado há cinco meses pela Prefeitura de SP, ainda não foi regulamentado. Enquanto a lei não é regulamentada de fato, eles explicam que vão continuar atuando somente em eventos, feiras e foodparks.

 

Os empresários importaram o modelo nascido nos Estados Unidos e na Europa. Eric Thomas conta que transformaram um terreno na Vila Olímpia em um foodpark. “Colocamos plantas, árvoresfrutíferas, um DJ e trazemos de 7 a 9 food trucks por dia, de segunda a sexta na hora do almoço, que se revezam, tentamos nunca ter dois concorrentes ao mesmo tempo, como dois trucks de hambúrguer ou de brownie, por exemplo”.

 

Thomas acredita que o mercado está reagindo mais rápido que a capacidade da prefeitura acompanhar. “O principal conceito é que o caminhão tem rodas e quer andar, e o público também quer uma diversidade do que ele vai comer. Não é interessante para ninguém a prefeitura colocar um ponto de segunda à sexta com os mesmos trucks. Nós gostaríamos de ser livres, andar dentro das regras, mas poder circular em outros pontos”, analisa Boratto.

Deixe seu comentário