Food Service

Notícia

Como escolher a localização de seu estabelecimento

O ponto comercial é decisivo para o sucesso de um negócio. Tão importante quanto a comida e o atendimento, se mal definido pode comprometer sua operação

25/08/2015

Karyna Muniz Consultora do Sebrae

Metade do sucesso de seu negócio depende da escolha certa da localização. O ideal é escolher um local de acordo com seu perfil de negócio, e não o contrário. Adaptar o negócio para um ponto comercial específico não é a melhor opção. Por isso, antes de ir à busca de um imóvel, tenha definidos claramente seu plano de negócios e seu cardápio, tópicos apresentados em edições anteriores da Food Magazine, que direcionarão qual seu público-alvo e espaço apropriado.

 
“O ponto trivial é que você precisa antes definir o cardápio e saber qual a estrutura física necessária, onde esse cliente se encontra e a rotina do local. O cliente que você busca tem que estar naquele lugar. Um cardápio caro em uma região que não valoriza certos serviços ou que não tem aquele pode aquisitivo, não pode dar certo”, alerta Karyna Muniz Ramalho, consultora do Sebrae. 


A especialista ressalta ser essencial primeiro pensar no plano de negócios, não somente na abertura, mas também ao longo da operação para realizar mudanças estratégicas e restaurações adequadas. Mesmo com tudo muito bem traçado, é possível identificar falhas, novas oportunidades ou um nicho pouco explorado que não tenha percebido anteriormente em sua pesquisa. O plano de expansão também deve ser bem definido antes da escolha do ponto. Confira mais algumas dicas:

 

Analise o perfil do consumidor

 

Faça um mapeamento da região para conhecer os nichos de atuação e horários de maior demanda. Pesquise e torna-se um consumidor, visitando os estabelecimentos locais e conhecendo os produtos e serviços oferecidos. Observe em quais horários esse público consome e o movimento durante vários dias e em horas alternadas.


“Em uma mesma região podem haver perfis diferentes, como a Berrini (centro empresarial na capital paulista), com executivos de vários níveis. Um local pode ter demanda para lazer nos finais de semana, para happy hour se estiver perto de empresas e centros comerciais, ou para restaurante por quilo na hora do almoço, como também padarias. O movimento se divide mais ou menos em 70% de segunda a sexta e 30% aos finais de semana. Veja quais empresas estão instaladas na região e qual a demanda de entretenimento, se é uma área residencial ou zona mista, se o bairro tem mais solteiros ou famílias com crianças. Tem que enxergar o todo, o formato de praticidade e conveniência dos moradores, se buscam uma alimentação saudável, etc”, sugere Karyna.

 

Verifique as facilidades de acesso

 

A facilidade para chegar em seu estabelecimento contará muito. Verifique opções de linhas de ônibus e de metro se seu potencial cliente chegará de transporte público. Se seu público-alvo costuma se transportar de carro, é importante fazer convênio com estacionamentos ou oferecer serviços de vallet. Porém, o ideal é oferecer as duas opções e ampliar o acesso, até porque deve pensar também em como seus funcionários chegarão, pois isso evitará problemas com atrasos e dificuldade para contratar, prejudicando o andamento do negócio.

 

 

Busque muitas opções sem pressa

 

Levante várias alternativas de pontos para poder comparar e definir o melhor lugar para o negócio. Não decida com pressa, o ponto é uma escolha sem volta. Tenha a cabeça fria para não cair na pressão de proprietários e corretores. Pesquise os preços da região para não fazer um mau negócio e conseguir um preço atraente. Fique atendo às cláusulas do contrato e ao período de vigência da locação.


Verifique se o preço é compatível com sua capacidade de investimento, com o prazo de retorno e o movimento esperado. Dê preferência para lojas no nível da rua e sem recuo, para aumentar a visibilidade Evite lojas em frente a pontos de ônibus, porque a aglomeração compromete a visibilidade. Conheça a movimentação e o ruído do entorno, e evite locais que transmitam sensação de insegurança, como praças mal iluminadas.

 

 

Veja a concorrência como um sinal positivo

 

Locais com grande fluxo de pessoas ou a presença de concorrentes nas proximidades trazem mais visibilidade e um número maior de potenciais clientes. Áreas menos conhecidas demandam esforço maior de divulgação. “Concorrência é relativa. Se tem é porque tem demanda, mas em também em alguns locais já tem quem domina. Porém, é ainda mais difícil desbravar um território virgem, que não foi explorado. Tem pontos negativos e positivos. Se não tem concorrência é porque ainda não é um mercado e você deve explorar a região deste o início e trazer o cliente pra lá. O cliente pode ter critérios de fidelização em outros estabelecimentos, mas se ele conhece uma qualidade superior, pode migrar, por isso, você tem que se destacar”, opina Karyna.

 

 

Cheque a lista de documentos obrigatórios

 

Tenha em mente tudo que precisará ao escolher o imóvel para não ter prejuízos e complicações. A consultora do Sebrae ressalta que o empresário pode se enganar ao comprar ou alugar um local onde já possuía um restaurante, ou outros na vizinhança, e acreditar que por isso o Plano Diretor da região permite este tipo de comércio ou que o local não terá problemas com regulamentação. Porém, esses estabelecimentos podem ser irregulares, é preciso checar isso antes. Imóveis tombados também podem trazer problemas.


Antes de fechar negócio, fique atento aos documentos que precisará obter para o funcionamento de seu estabelecimento, junto a alguns órgãos fiscalizadores, entre eles, a prefeitura do seu município, a Vigilância Sanitária e o PROCON. Alguns deles são: 


• CCM – Cadastro de Contribuintes Mobiliários – Prefeitura.

• Alvará de Funcionamento – Prefeitura.

• Contrato de Locação do Imóvel.

• Alvará do Corpo de Bombeiros mediante vistoria.

Lembre-se que as micro e pequenas empresas recebem tratamento diferenciado em: 

• CMVS – Cadastro Municipal de Vigilância Sanitária: alvará sanitário e licença de funcionamento.

 

Fique atento a fachada

 

A fachada é muito importante, pois ela é seu primeiro contato, sua vitrine, que atrairá o cliente. É sua marca e demonstra sua identidade própria. Você pode utilizar alguns recursos visuais de visual merchandising, sugeridos no “Receita do Sucesso”, cartilha elaborada pelo Sebrae para auxiliar os empreendedores do setor. Confira algumas dicas:


• Mantenha todos os itens da fachada em perfeitas condições de conservação e limpeza.


• As cores da fachada, nomes, símbolos, luminosos e letreiros merecem atenção especial, pois transmitem muitos significados e podem ajudar ou atrapalhar na atração dos clientes. É importante que sejam coerentes com a proposta do estabelecimento.


• Atente-se à legislação municipal (quando houver) em relação à metragem dos luminosos, letreiros e o seus conteúdos.


• Adeque a calçada e o interior do estabelecimento de acordo com as legislações de acessibilidade.

 

Deixe seu comentário