Food Service

Notícia

Com “Boteco Japonês”, casal fatura R$ 3 milhões

Anderson e Elizandra Tamayose comandam o Lins Sushi há seis anos, mesclando as culinárias brasileira e japonesa

18/05/2016

 

O casal de empreendedores paulistanos Anderson e Elizandra Tamayose, 40 e 35 anos respectivamente, comandam um bar diferente: o Lins Sushi, que mescla a “cultura de boteco” brasileira, com porções e cerveja, e a culinária do Japão. Com o empreendimento, os dois faturaram R$ 3 milhões em 2015. 

 

 

Antes de abrir o Lins Sushi, em 2009, o casal passou cinco anos no Japão. Trabalharam nos típicos empregos de decasséguis, os descendentes nipônicos que vão ao país em busca de melhores salários e a possibilidade de juntar algum dinheiro: atuaram em indústrias de autopeças, lojas de conveniência e fábricas no Japão. Quando saíram do Brasil, os dois deixaram por aqui uma filha de três anos. A saudade dela e do resto da família fez com que eles decidissem voltar à sua terra natal há sete anos e meio. “Viemos com a vontade de empreender, de preferência no setor de alimentação”, afirma Anderson Tamayose.

 

 

No entanto, o plano dos dois não englobava vender apenas comida japonesa. A razão é inusitada: Elizandra detesta sushis e sashimis e grande parte das iguarias do outro lado do mundo. Durante o tempo que esteve lá, de acordo com Tamayose, ela sofreu para encontrar opções de alimentação que gostasse. “Por isso, decidimos abrir um bar cujo conceito atraísse vários tipos de pessoas”, diz o marido.

 

 

 

 

Na hora do almoço, o Lins Sushi foca na comida japonesa. À noite, tudo se mistura e o bar serve tanto pratos da culinária oriental – com opções à la carte todo dia e rodízios de segunda a quinta – quanto porções bem brasileiras. Tem batata frita, iscas de carnes e bolinhos diversos.

 

 

O Lins Sushi foi aberto em um pequeno imóvel na rua Albuquerque Lins, no centro paulistano. O negócio foi batizado em homenagem à rua. No entanto, o ponto comercial só comportava 40 pessoas, sendo que apenas 12 cabiam na área interna do bar. No ano passado, Tamayose e Elizandra mudaram o bar de lugar, para um imóvel a duas quadras de distância, em que cabem cerca de 200 pessoas.

 

 

Campeonato brasileiro de porções

 

 

 

Há três anos, o Lins Sushi participa do Comida di Buteco, uma competição nacional de pratos típicos de botecos. Neste ano, 500 bares de 20 cidades de todo o país estão participando.

 

Para a edição 2016, o bar criou um bolinho de frutos do mar especialmente para o projeto. Em 24 de maio, sairá o resultado da seletiva paulistana do Comida di Buteco. O vencedor nacional do evento sairá em julho, no Rio de Janeiro.

 

Casa em ordem

 

 

Segundo Tamayose, o Lins Sushi faturou R$ 3 milhões no ano passado. A receita é duas vezes maior que a obtida no primeiro imóvel do bar. Agora, a meta do empreendedor é organizar as contas. “A mudança de ponto e a reforma que precisamos fazer foram grandes. Agora, estamos colocando a casa em ordem.”

 

No longo prazo, a meta é expandir o negócio por meio da abertura de novas unidades. “A entrada no sistema de franquias é uma das possibilidades que trabalhamos”, afirma Tamayose.

 

 

Fonte: pegn

Deixe seu comentário