Publicidade

Food Service

Notícia

5 dicas para pequenos empreendedores de bolarias

Proximidade com o consumidor e cardápio variado são algumas das dicas do especialista Sergio Molinari, sócio-diretor de Foodservice da GS&MD

04/09/2014

As bolarias, como são chamadas as lojas de rua especializadas em bolos caseiros, passam por um momento especial. Com o mercado rentável, o setor chama a atenção de micro e pequenos empreendedores. Para aqueles que pensam em investir no negócio, o sócio-diretor de Foodservice da GS&MD – Gouvêa de Souza, Sergio Molinari, reuniu cinco recomendações de sucesso. Confira abaixo:

 

1- Proximidade com o consumidor

Pequenos empreendedores devem preservar a capacidade de criar e adequar seus produtos a partir do feedback de seus clientes, assim como manter a característica artesanal dos produtos. “Embalagens bem cuidadas e finalizadas à mão são apenas um dos vários elementos difíceis de serem replicados por grandes redes”, afirma Molinari.

 

2- Variedade no mix

Além do bolo caseiro, outros itens no cardápio, mesmo que feitos somente por encomenda, chamam a atenção dos clientes. “O consumidor que se encanta por bolos simples é, certamente, um cliente potencial para produtos mais elaborados”, diz.

 

3- Cuidado com a embalagem

Capriche sempre na embalagem. Segundo Molinari, os clientes vêem o pacote como parte do produto. “Inclua embalagens de todos os jeitos, como as térmicas. Não se esqueça de acrescentar a sua logomarca e contatos, que vão atrair novos consumidores para seu estabelecimento”, garante.

 

4- Explore as oportunidades

Para Molinari, agregar ao negócio o serviço de encomenda, delivery, kits para festa e reuniões corporativas é a chave para expandir a marca. “Além do consumo local, estes serviços encantam e fidelizam os clientes”.

 

5 – Aproveite o mercado

De acordo com Molinari, o mercado existe e é promissor. Porém, demanda atenção ao público e inovação no mix. “Sozinhas, boas receitas de bolo não valem para nada. Elas precisam, também, de uma receita cuidadosa de negócio”, afirma. (PEGN)

Deixe seu comentário